terça-feira, 5 de maio de 2015

SEMANA SANTA NO VALE DO CAPÃO

A semana santa é um momento bem especial para mim aqui no Vale do Capão, pois minha primeira visita ocorreu neste período, e naqueles dias esse lugar manifestou-se em toda a sua glória, com tempestades elétricas, cachoeiras pra todo lado, e, quaresmeiras, às centenas, floridas, como se o mundo fosse uma mágica (e é!).
É a época mais bela por aqui!

No grupo das pessoas idosas que ocorre todas as quartas na nossa USF de Caeté-Açú, perguntei como era a semana santa no passado aqui nesse Vale abençoado. Vão aqui algumas das informações que coligi:
Em realidade o processo começava na quarta-feira de cinzas. Ali começavam as 4 semanas da quaresma, cada uma com seu nome:
Semana 1. Das trevas.
Semana 2. Das lágrimas.
Semana 3. Das dores.
Semana 4. Semana Santa.

Durante estas semanas não era permitido o consumo de carnes (exceto peixe) nas quartas e nas sextas. Até hoje não se come carnes (menos peixe) na quarta, quinta e sexta-feira da Semana Santa. Dentro destes preceitos, quem se chamava Maria não podia pentear o cabelo, comer goiaba, nem cana-de-açúcar – que, segundo as lendas locais, havia sido usada para golpear Jesus e por isso era amarga e ficou doce. As Marias também usavam a mesma roupa na quinta e na sexta-feira.

Nos dias dedicados à Paixão de Cristo, os jovens acordavam 4 a 5 horas e procuravam pedir a benção a seus padrinhos, com eles tomar o café da manhã, e (na sexta) almoçar. No café da manhã tinha que ter cuscuz que era feito a partir do próprio milho, que era pisado, retirado o olho, soprado para separar o farelo e posto de molho em água morna durante a noite. Depois era novamente pilado e cessado e só então se fazia o cuscuz em cuscuzeiro de barro enrolado no pano. Esse mesmo milho era usado também para fazer angu servido no almoço da sexta na casa dos padrinhos, o qual era servido com peixe. Essa tradição é mantida pela maior parte dos antigos. Depois do almoço tinha como sobremesa melancia, que era trazida de Palmeiras em boa quantidade, assim como as abóboras para a comilança. Uma vez consumida a sobremesa todos faziam uma contrita oração de agradecimento a Deus.

Na igreja local o Senhor Morto era posto sobre uma mesa para ser visitado por todos, que lhe beijavam e depositavam uma moeda em um cofrinho. A essa altura todos os santos estavam cobertos, como é frequente no mundo católico, sendo que aqui o pano não era roxo, como em outros lugares (não tinha cor específica).

No Sábado, a finada Neném abria a igreja às 10h, batia o sino e comandava a reza do ofício. Meio-dia as famílias colocavam uma bacia de esmalte branca com água e cantavam certas músicas e a gente ao redor fitava a água para “ver a aleluia na água” – olhavam a água, seus reflexos e em dado momento achavam que era aleluia (não consegui uma explicação clara quanto ao fenômeno, mas lembro que quando eu era bem criança tinha algo assim em Salvador); nesse momento os santos eram descobertos. Então era permitido o consumo de carne e os pais podiam voltar a bater nos filhos, que no dia anterior estavam isentos de castigos. Registre-se que durante a sexta-feira os pais recolhiam as becas (badogue, estilingue) da criançada, pois era proibido matar qualquer coisa neste dia; com a liberação no sábado, era uma matança generalizada de passarinhos ou o que quer que aparecesse, e, o produto era usado para comer. Lembro que a pobreza aqui era grande, as dificuldades inúmeras e nem sempre havia disponibilidade de proteínas.
Uma coisa interessante é que durante a sexta-feira era proibido andar a cavalo, e mesmo os raros carros paravam, tampouco era permitido qualquer tipo de relação comercial e nada que envolvesse dinheiro. Nesse dia havia visita ao cemitério (onde se acendiam velas) que estava limpinho, pois no dia anterior os homens se haviam incumbido de cuidar do local.

Todas as noites da Semana Santa a matraca cantava pelo povoado convidando a todos para a reza da meia-noite pelas almas dos mortos, quando as mulheres enrolavam-se com lençóis brancos, inclusive a cabeça. Depois da reza alguns aproveitavam a escuridão e o descuido dos responsáveis para ver, ou um pouco mais, suas paqueras em segredo.

Para fechar quero descrever a fórmula das bênçãos que os jovens pediam aos pais, aos padrinhos e às demais pessoas pelas quais nutriam maior consideração e respeito:
Aquele a ser abençoado se ajoelhava e dizia: – Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo.
A resposta vinha pronta: – Para sempre seja louvado, nossa Mãe Maria Santíssima. Deus lhe dê boa sorte, saúde, paz...

A Semana Santa era um momento de grande contrição para toda a comunidade. Reafirmava-se o sentido de pertencimento a um grupo e uma tradição. Todos se uniam para fortalecer os laços que contribuíam para a coesão do grupo. Hoje o tecido social vem se esgarçando e não é só aqui. Os desafios daquele tempo em alguma medida obrigavam às pessoas a reduzir-se ao grupo enquanto hoje o individualismo vem tendendo a prevalecer. Bom? Mau? Bem? Mal? O futuro dirá. Porém creio que muito do passado não era tão bom como gostariam os saudosistas, assim como demais do presente não se vê benéfico. Enquanto penetramos nos novos tempos, quiçá deva ser razoável olhar para o passado em busca de referências que nos ajudem nos dilemas que o tempo nos propõe.


Recebam um abraço com flores de quaresmeira.

4 comentários:

  1. Bendita seja a memória, que mesmo cansada, flui nas vozes daqueles que viveram, ou souberam dos que viveram, um conjunto de relatos que nos conduz ao passado, fundamento dos nossos futuros...

    Bendita as narrativas que fortalecem identidades e territórios que embora suprimidas em meio as tormentas de um mundo cada vez mais global, ressurgem, recriam, reavivam, revelam...

    Bendita as vozes que ressurgem, recriam, reavivaam e revelam um mundo que vai muito mais além do que é contado pelas histórias oficiais...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Faço minhas as suas poéticas palavras, caro anônimo.
      Que vivam as memórias!

      Excluir
  2. Sou grande admirador de memórias, preferencialmente,
    as que focalizam coletividades. As boas experiências devem
    ser recordadas para, não somente nos fazer reviver bons
    momentos, como tentar metlhorar os dias futuros.
    As más experiências também devem ser relatadas,
    para podermos evitar erros contornáveis.
    Sou, porém, grande contraditor das teses que enaltecem
    o passado como o tempo ideal, que pretendem dizer que
    "aquele é que era o tempo bom!".
    Ah, não! Tempo bom sempre será o tempo futuro,
    que a gente pode adequar aos nossos anseios e às nossas
    necessidades. Se não se conseguir, tudo bem, assim é a vida.
    Mas o que interessa é tentar!
    Mudar o passado é somente ficção.
    E a gente vai pro futuro, queira ou não!
    Abraço memorioso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que ótimo dizer: Faço minhas as suas palavras!

      Excluir