sábado, 19 de janeiro de 2013

SESSENTA ANOS


Sessenta anos! Uau, é muito tempo. Então penso em minha mãe, com 92! Aí sim, muito tempo. Ela me diz que já está cansada. Considera que teve uma vida maravilhosa – e eu sei do tanto de sofrimento que passou! Mas ela avalia a partir do cômputo nesse final. Ela mostra-se feliz com o resultado de sua vida e isso me agrada. Minha mãe tem seus medos, mas tudo tende a ser superado pelo bom humor. Olho e aprendo.

Naturalmente procuro as vantagens da idade. Observando-me cuidadosamente percebo que hoje eu poderia ser mais equilibrado emocionalmente, menos irascível etc. Sim, estou melhor nestes quesitos, mas bem menos melhor do que o melhor que eu consideraria ideal. Ou seja, não avancei tanto quanto deveria. Fisicamente as coisas mostram que esta não é definitivamente a melhor idade. Não tenho queixas maiores, minha memória para coisas recentes hoje é melhor do que há 20 anos (mas era tão ruim que não é muita glória estar melhor do que aquilo), porém a força física (que nunca foi lá estas coisas todas) reduziu, assim como a agilidade.  Tem gente que abomina haver alcançado a velhice exatamente por causa desta decadência; eu me regozijo, porque se aqui cheguei é porque não morri jovem – e olhe que pulei várias fogueiras – vai daí que acho que tenho a celebrar; celebro.

Há algo maravilhoso em estar nesta idade. Hoje eu me sinto mais livre, menos compromissado com ideologias, com verdades construídas por outrem e impingidas a mim, como minhas. Os “ismos” perderam 90% do sentido. Além disso, conquanto algumas dores da alma (usando termos de René Descartes) alcancem-me com firmeza, meu humor é infinitamente melhor. Rio de nada e de tudo, e rio alegremente de meus próprios dissabores. Já não me levo tanto a sério.
Tenho a sensação de que vivi. “Confiesso que he vivido” dizia Pablo Neruda. Faço minhas suas palavras. Poderia ter vivido mais intimamente o que vivi, isso é indubitável, mas agora já passou. Sigo. E cada dia vivo mais dentro do que experimento, ótimo.

Mas o melhor mesmo é essa sensação de que já não me preocupo tanto com o que vão pensar do que falo, do que não falo ou faço. Acredito e vivo na consciência de que devemos satisfação aos nossos próximos, vizinhos, familiares, conhecidos, mas este prestar conta por nossos atos tem limite. Que me importa o demais, a mais do que o limite daquilo que acho que é a minha dívida para com a sociedade? Somos seres sociais e isso é bom, mas também somos seres individuais. Um amigo me disse que o legal de ser idoso é que quando fala coisas de qualidade todos reputam à sabedoria, já quando fala bobagem, todos compreensivelmente sorriem culpando a idade. Em outras palavras: podemos relaxar, posso, então, relaxar, pois, como não se cansam de repetir os meus colegas de trabalho, eu sou sexi; sexagenário, bem entendido.

Recebam um abraço idoso de Aureo Augusto, em 19/1/13.

13 comentários:

  1. Querido Aureo,

    Gostei muito do seu blog e fico feliz que ainda acha que é feliz. Eu tb fiz 60 a nos, mas... essa está sendo uma das fases ruins da minha vida. Perdi a voz,pq acham que eu estou ultrapassada ou que não adianta reivindicar mais nada pq meu tempo e curto. Nada está bom pra mim.

    ResponderExcluir
  2. Adorei! É como penso também! Tempo de auteridade e liberdade; sem pretensões, mas com desejos!!!!
    Um abraço grande
    Ana Teresa Lima

    ResponderExcluir
  3. Katy Neves da Silva19 de janeiro de 2013 15:55

    Caro Áureo,
    É sempre inspirador ler os seus textos , me dá vontade de viver ,mais e mais , e maisss.
    O seu talento é inconfundível ,o seu humor...sou uma grande admiradora , e aprendo sempre com você , a ser eu mesma...

    Parabéns ! Felicidades !
    Katy Neves da Silva

    ResponderExcluir
  4. Queridas,
    sou um aprendiz nesse negócio de viver. Aos 60 sinto que ainda estou bem no início de aprender. Tenho passado por momentos bem tristes e tenho sofrido mtos preconceitos. Mas apesar disso os dias sempre se seguem uns aos outros e o mundo dá suas voltas, se hoje a dor habita meu coração, nasce o sol no dia seguinte e o rastro que deixa no mar é um caminho para a felicidade. O primeiro comentário, que não foi assinado, é bem triste. Pode ter certeza, cara amiga, que eu sei exatamente o que está passando. Já senti isso na pele (e, mesmo, sinto). Mas olhe para você, apegue-se ao que vc conquistou até agora e tome o caminho do sol.
    Recebam um abraço de um (velho) amigo.

    ResponderExcluir
  5. Dr. Aureo, também sou recem-sexagenária, quero comentar que toda vez que me olho no espelho levo um susto, pois em minha mente ainda me "vejo" com 30 anos... Parabéns pelo aniversário! Ah, apresentando-me, sou a mãe da Sandra e da Fernanda do Capão, avó de todos aqueles netos... rsrsrs
    Marly

    ResponderExcluir
  6. Querido Aureo,
    fico feliz por vc estar de bem com a sua idade, de bem com você. Com certeza, isso se deve a sua trajetória de vida! Como foi importante pra vc e pra milhares de pessoas sua vivência do naturismo, da espiritualidade, da arte, ao mesmo tempo em que era pai, marido, médico, professor, artista e agitador cultural, amigo, um homem que revolucionava a cada passo, a cada descoberta, a cada busca... Como vc foi e é importante pra nós! Sou eternamente agradecida pelo que aprendi com vc, com seu imenso amor e generosidade!
    Vá se preparando pra novas experiências! Se sua querida mãe já está com 92, vc com sua energia e sabedoria, está só no iniciozinho da sua melhoridade!
    Ah, que legal conhecer o significado de alteridade, que sua amiga comentou!
    Mais uma vez obrigada e tudo de bom!

    ResponderExcluir
  7. Olá Dr. Aureo,
    o senhor vai nos presentear por muito...muito... "TEMPO" com seu carinho, acolhimento. Apesar de não o conhecer pessoalmente o senhor muito me ajuda na minha opção de ser vegetariana e em outros aspectos de minha vida com os seus textos. Desejo tudo de bom todos os dias e muita força na sua jornada diária.obrigada!!! Grande abraço. Ada Barboza.

    ResponderExcluir
  8. Nossa! vcs não têm ideia de como sou grato por estas manifestações. Marli e Ada que nem conheço, mas que acabo por conhecer por via deste blog, me tocaram com suas palavras e com seus votos. Sim, tomara que tenha a chance de por mto tempo estar aqui com vcs. Sandra, companheira de viagem, da viagem do naturismo, da medicina, tta coisa. Vc é mto bondosa comigo. Demais, diria.
    Seja como for, vejo a mim mesmo como um espelho. Por isso as pessoas boas vêm em mim coisas boas.
    abração.

    ResponderExcluir
  9. Parabéns Aureo!!! Desejo muitos anos de vida pela frente a vc!!
    Murilo

    ResponderExcluir
  10. Grato Murilo,
    estou feliz por ter chegado até aqui e quero mais!

    ResponderExcluir
  11. Um abraço, querido Áureo!
    Farei 47 em março, já sinto q perdi força física, agilidade, mas ganhei(conquistei) mais liberdade. É isso, que a gente continue envelhecendo com saúde e dignidade e aprendendo com pessoas como sua mãe.
    Um grande beijo,
    Martha

    ResponderExcluir
  12. Oi menina,
    fique sempre menina, mesmo que passem os anos. grato.

    ResponderExcluir