quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

MOMENTOS DIFÍCEIS no fim do ano

Entre o Natal e os primeiros dias de 2011 vivi momentos angustiosos; meu pai foi internado, com dores insuportáveis e, em uma tentativa de salvar-lhe a vida, os médicos optaram por lhe amputar a perna esquerda. Aqueles que me lêem ou ouvem sabem que tenho lutado por uma melhoria da relação médico/paciente. Em alguns artigos usei exemplos do que vivenciei em hospitais e outros lugares onde as pessoas doentes foram tratadas de forma inadequada. Desta feita, apesar da enorme dor pela qual passei, devo registrar que fiquei feliz com a forma como toda a equipe do Hospital Santa Isabel cuida daqueles que precisam dos serviços daquela casa.
Quando cheguei a Salvador, encontrei-o consciente e, logo que me viu, brincou perguntando se o chapéu que eu usava não era o dele. Notei que estava mais falante do que de costume, e interpretei que isso era por causa da ausência da dor que o acompanhara por meses, lancinante, na perna recentemente amputada. No dia seguinte de manhã mostrava grande cansaço, mas ainda assim pôde manifestar a minha mãe, que o visitava, sua gratidão e amor por ela (foram mais de 60 anos de casados). Naquela tarde piorou e aos poucos o quadro foi piorando, culminando com a morte no dia 30 de dezembro de 2010. Os dias vividos na UTI, antes da sua morte foram de muita angústia para todos os parentes e amigos. Cada exame revelava apenas más notícias e a conduta médica hospitalar, conquanto pautada em muito cuidado, revelou-se frustra. Em dado momento, meu sentimento foi de que deveríamos parar de tentar e permitir-lhe encontrar o destino final de todos nós em paz. Apesar de me ter desvanecido em choro intenso, tive uma sensação de alívio no momento em que o médico da UTI me disse que já não havia mais nada a fazer senão aguardar a morte, pois já haviam tentado todas as possibilidades sem sucesso. A partir daí estabeleceu-se uma espécie de silêncio e uma espera tranqüila pelo momento final, que chegou aos poucos até o momento final. Não posso deixar de anotar a forma como o pessoal do Hospital Santa Isabel se portou naquele então. Uma auxiliar de enfermagem sumamente discreta e a uma distância respeitosa vigiava, enquanto aguardávamos o momento especial da passagem e procurávamos manter um ambiente espiritualmente agradável. A auxiliar registrou o momento da morte, porém ninguém se aproximou enquanto eu pronunciava em voz baixa minha despedida, manifestando minha gratidão por tudo que ele me deu e por tudo o que representou e ensinou para mim. Apenas quando eu mesmo solicitei a presença de alguém, uma enfermeira veio e me disse que o médico estava pronto para vir constatar o óbito. Em alguns escritos publicados e em palestras tenho registrado e criticado a forma desumanizada com que o pessoal da saúde tantas vezes trata àqueles que sofrem. Já tive uma briga feia (contra minha habitual maneira de atuar com os colegas) com um médico em um hospital por sua postura absolutamente negligente para com meu pai e tempos depois, com outro em outro hospital pela sua maneira ríspida, inumana e mercenária. Na maioria das vezes em que ele foi internado notei a pouca atenção e despreparo humano no atendimento. Porém o Hospital Santa Isabel mostrou-se radical e agradavelmente diferente. Vi todos os funcionários, desde médicos até os auxiliares da limpeza, passando pelo pessoal de enfermagem e burocrático, quando solicitado a prestar uma informação responder com presteza, e mesmo alegria. Alguns deixavam momentaneamente suas tarefas para deslocar-se indicando um caminho ou um lugar. O pessoal de enfermagem portou-se discreta e cuidadosamente. Os médicos foram respeitosos, passavam confiança e mostraram-se cuidadosos. Com o risco de ser injusto com os demais, mas mesmo assim, cito o Dr. Barral na UTI cirúrgica, por sua postura muito humana e pela sua disposição de explicar sua conduta em detalhes, apesar do avançado da hora e do fato de que já não era o horário definido para isso. Quero agradecer às diversas pessoas que compõem a equipe deste hospital pelo seu comportamento e quero ademais incentivar a que se mantenham desta maneira, pois honram suas profissões e representam belo exemplo para os demais.
Enquanto o ano fechava suas portas, no dia 31 de dezembro, um número razoável de pessoas (aquelas que pudemos contatar, já que os problemas de telefonia nesta passagem do ano em Salvador impediram muitos contatos) muitas desconhecidas entre si, porém ligadas pelo amor a Aureão (assim os próximos o chamavam), despediam-se dele, com lágrimas, palavras de saudade e louvação das suas enormes qualidades, silêncios significativos e risos aflorados por lembranças prazenteiras. Tantas vezes lamentei que a morte dos idosos aqui do Vale do Capão implica em perda de um cabedal de conhecimento (no sentido bíblico – de quem viveu aquilo que sabe) e agora, junto com meus parentes, queremos que o que ele foi e representou mantenha-se aceso entre nós. Já começamos a contar-nos a nós aquelas passagens que em algum momento configurarão as lendas da família e que em algum momento lá na frente contribuirão para a formação de outras gerações. Minha mãe, com seus noventa anos, beijou-lhe a testa e ao afastar-se, em um momento de ternura suprema, voltou-se, olhou-o e acenou um leve adeus...
Em 6/1/11, recebam meu abraço saudoso. Aureo Augusto.

17 comentários:

  1. Um Verdadeiro cabedal de conhecimento. um Exemplo de Vida. Aureão Entrou para a História.

    ResponderExcluir
  2. E o legal é que para isso não precisou construir cidades, nem conquistar impérios. A única coisa que ele queria era criar e educar os filhos.
    Abração.

    ResponderExcluir
  3. Confesso que derramei algumas lágrimas na leitura deste texto: lágrimas pela dor que sentiram e sentem,pois a "morte" traz uma saudade realmente muito doída; lágrimas pela leveza, tranquilidade e beleza como que escreveu esta narrativa e lágrimas de felicidade pelo depoimento de que os profissionais de saúde estão mais humanizados e conseguem demostrar mais afetividade ao próximo.

    Um forte abraço para você e para Cibelle.

    Ândrea Valois- Morro do Chapéu- Ba.

    ResponderExcluir
  4. A você meu grande abraço e, sei que somente o tempo pode amenizar a saudade, ela estará sempre presente e sempre digo que a saudade é maneira de nos manter unida a entes queridos, pois ela sempre nos traz belas e boas recordações,pois se temos saudades, por certo, porque temos coisas boas para lembrar...E pelo belissimo texto pude sentir quão grandioso foi seu pai e que privilégio meu amigo que você teve em fazer parte de sua vida...

    Kátia Maria Franco

    ResponderExcluir
  5. Oi Aureo,
    O meu abraço e o meu pesar pela morte do seu pai.
    Apesar da dor, da saudade imensa, acredito que é um momento de grande libertação para quem já cumpriu a sua missão neste plano.
    Um abraço para Cybele.
    A amiga,
    Angela

    ResponderExcluir
  6. A vocês minha gratidão pelas suas palavras. Meu pai foi realmente um homem extraordinário e silencioso, pois mto do que ele fez de bom ninguém sabe. No enterro algumas pessoas falaram coisas que foram surpresa para toda a família. Mas apesar da dor, resta-nos o humor, herança paterna.

    ResponderExcluir
  7. Apesar da dor, da saudade, temos a cereteza da responsabilidade do seu Pai através desse texto; parabéns!
    GRANDE PAI, GRANDE HOMEM, GRANDE EXEMPLO, GRANDE ENSINAMENTO.
    Muita paz para você e familiares.
    Lanne Vieira

    ResponderExcluir
  8. Sortudo filho de uma união de amor(60 anos!!), sou amiga-mãe da sua sobrinha Sissi e sou muito grata a ela por ter conhecido "vovô", pois aprendi muito com o pouco tempo que conversamos, mas aprendia todo dia quando ela chegava e dia: Lú vou te contar a última de meu avô; eu logo abria minha caixinha de aprendizagem. O vovô Aureo para mim foi/é um grande maquinista e eu tive a sorte de ser sua passageira. "Obrigada meu Deus!" Tenho certeza que no céu ele continua sendo o mais divertido maquinista.
    O vovô EXISTE!
    fraterno abraço,
    Luciene Matias

    ResponderExcluir
  9. meu amigo, meu irmão
    tb vivencie esta cena hospitalar, sem a mesmas sorte da equipe - fora da uti - do hospital espanhol. Sei do que falas... Este Santa Isabel tem saído em destaque em algus noticiarios - qd poso ver - com relatos desta natureza.
    ELe te visitará, assim que puder...
    As vezes, sinto a presentça do meu velho nas tarefas espiritas, junto ao Tio Divaldo, onde trabalhou 10 anos antes de desencarnar.
    oração, elevação e paz.
    Washington Bacelar

    ResponderExcluir
  10. Aureo,

    Lendo seu texto, me transportei aos últimos momentos em outubro de 2010 que passei ao lado da minha querida mãe, que aos 82 anos, bem vividos, se foi, não continuarei pois as lágrimas tomaram conta de mim.
    Abraços!!
    Forças!
    Socorro

    ResponderExcluir
  11. Queridos,
    sou profundamente grato pela presença de vcs neste momento, comentando de vcs e de meu pai. Ele realmente era uma pessoa à parte. E o legal é que era gente como nós, não um ícone distante.
    Posso dizer a vcs que sua morte não me doeu tto qto vê-lo sofrer no hospital. Apesar do cuidado que recebia pela equipe do Sta Isabel, era mto doloroso assistir àquela situação. Hoje em minha mente e em meu coração vejo-o nos seus momentos do dia-a-dia, naquele jeito dele que tto nos ensinou.
    Beijos

    ResponderExcluir
  12. Áureo, eu ñ queria ler estes blogs porque já intuía o que sucedera, de alguma maneira adiava o inevitável. Para quem conheceu Aureâo fica a lembrança e a imagem de uma pessoa muito, mas muito especial. Eu sempre me surpreendia cada vez que nos encontrávamos na sua casa lá do Uruguay.
    Fique com um grande abraço saudoso, do amigo de sempre,
    Élcio.

    ResponderExcluir
  13. POis é meu amigo, meus amigos todos comentam da marca que o velho deixou neles. Isso me alegra.
    Agora as lembranças boas são a marca atual que ele legou.

    ResponderExcluir
  14. Bonitas e verdadeiras palavras Áureo! As boas lembranças se tornam em carinho e ternura de uma doce presença! Abraço fraterno! Sayonara Santos de Jesus

    ResponderExcluir
  15. Grato pela sua percepção e pelas suas palavras Sayornara. E vc tem razão, as boas lembranças acabam transformando saudade é vivência doce.
    Abraços

    ResponderExcluir
  16. Norma Suely Facchinetti25 de janeiro de 2011 13:19

    Aureo,

    Que as boas lembranças deste pai querido suavizem a dor da saudade.
    Um grande abraço.
    Com carinho,
    Norma

    ResponderExcluir
  17. Grato, Norma.
    Realmente as lembranças são boas. O velho foi um homem bastante singular e nós os filhos netos etc. qdo nos encontramos o que fazemos é comentar suas atitudes que são para nós exemplos importantes.
    Abraços

    ResponderExcluir