quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

Alimentação das crianças - UMA BOMBA QUE VAI EXPLODIR

O Roberto Cunha (autor de Um Homem em Movimento e Aprendendo com a Vida) me mandou há alguns dias um e-mail com um anexo comentando sobre a nossa vida quando éramos crianças, sem as proteções de hoje, desasnados correndo riscos inimagináveis em carrinhos de rolimã, longe dos olhos dos pais, enturmados com amiguinhos destrambelhados como nós mesmos. Comíamos coisas absurdas (eu mesmo, me especializei em pinaúna crua quando dava a fome na praia de Roma ou de Cantagalo – por sinal, poluídas) e, ainda assim, conseguimos sobreviver. Gostei muito da mensagem, embora saiba que não era um mundo sem doenças. Um dos principais toques do material é que tínhamos muita atividade física. Muita. Lembro-me de fazer corrida sobre os muros das casas, corrida sobre recifes cobertos de limo, competições de natação, picula, guerrô etc. Era uma vida ativa. Também, fora a escola, não tínhamos quase nada com que nos preocupar e, longe dos olhos dos pais – o que era bem freqüente – a liberdade era nosso atributo. Hoje a vida das crianças nas cidades é bem diferente. Elas têm até agenda!!! Além disso, os perigos são bem maiores. Chama atenção a redução dramática dos exercícios já que muitos dos brinquedos de hoje são virtuais, além da exponencial perda da qualidade na alimentação.
Há uma coisa que me causa horror: Em uma palestra de um dos Encontros de Profissionais de ESF do Vale do Capão, um cardiologista (Dr. Manoel Afonso) recomendou que medíssemos a pressão sangüínea das pessoas a partir dos 8 anos de idade. Isso porque a hipertensão arterial está atingindo cada dia mais aos jovens. Uma enfermidade que antes só atingia adultos e idosos está se estendendo às nossas preocupadas, sedentárias e (cada dia mais) obesas crianças. Observo com tristeza crescente como os pequenos do Vale do Capão estão aderindo cada vez mais aos “salgadinhos”. Na merenda escolar é o que mais está presente. Quando era menino eu levava uma merendeira para a escola. Ali havia suco e pão com queijo. Era pão branco, e o suco, após algumas horas já tinha perdido muito de seu valor nutricional, porém ainda assim era bem melhor que os salgadinhos com seu excesso de sal, com seus colorantes, com o excesso de ômega 6 (que é um óleo essencial, muito bom, mas excesso aumenta as inflamações), às vezes com xarope de milho, e com sua pobreza em nutrientes essenciais. Para mim os estudantes que agora consomem os salgadinhos irão engrossar daqui a poucos anos as estatísticas de hipertensão e diabetes e os gastos governamentais com acompanhamento ambulatorial para estas enfermidades. Inda mais porque, mesmo aqui, a invasão dos plays de computador já chegou. Vocês não fazem idéia da minha tristeza. Menos mal que o ambiente convida ao banho de rio e ao jogo de bola!
E quando chegam em casa o que comem os jovens? Antes a pobreza levava a perda de qualidade, hoje, quando o Vale está bem melhor economicamente, há ampla oferta de produtos industrializados, caldos de carne e de galinha e outros temperos artificiais repletos de, por exemplo, Glutamato Monossódico que é 4 vezes mais hipertensor do que o próprio sal (Cloreto de Sódio), acompanhados de refrigerantes. O que será desta geração? Sal em excesso e Glutamato, favorecendo instalação da hipertensão, refinados hiperglicemiantes que incitam o diabetes tipo 2 e estimulam as inflamações, incremento das calorias aumentando o peso, redução da ingestão de cálcio (marcante na juventude brasileira) e aumento de refrigerantes e açúcar branco que retiram cálcio dos ossos, predispondo à osteoporose...
Penso que não estou sendo exagerado em minhas preocupações. O que vocês acham?
Recebam um abraço preocupado, Aureo Augusto.

25 comentários:

  1. Aureo,

    Concordo em gênero e grau contigo. Durante a leitura lembrei-me de mim mesma, na infância livre e ativa que tive juntamente com irmãos e primos. Na nossa merendeira, quando não tínhamos o pão com manteiga ia uma fruta, muitas vezes a banana, sempre encontrada. Hoje, nossas crianças estão à mercê de uma alimentação pobre em nutrientes comanda por um consumismo impensado.

    Abraços, Raidalva

    ResponderExcluir
  2. Bom Dia!!
    Dr. Áureo, sou Angela, amiga de Dr. Cavalcanti, estivemos no São joão com vc na pracinha.
    Chega um momento na vida dos filhos em que os pais já não controlam quase nada, mas enquanto isto não acontece, depende basicamente de nós, escolhermos uma alimentação mais saudável, para que fiquem com um sistema imunológico mais preservado.
    Tenho uma irmã que na menopausa pariu, depois de um filho de 28 anos, a menina tem 7 anos, nunca vi uma criança beber tanta coca-cola, então comentei com ela sobre este desatino, ela acha que isto não prejudica não, a criança bate o pé e aí os pais esmorecem, parece que estão se tornando refém dos filhos.
    Tenho um filho de 28 anos, mês passado foi ao dentista, quando saiu me ligou dizendo que a dentista mandou me dar parabéns por eu ter tido cuidado com a alimentação dele, pois não tinha nenhunma cárie, claro que fiquei besta, mas compartilho com você sobre esta alimentação que hoje está sendo colocada para estes meninos. E quero dizer que sinto muito pelo teu pai e por D. Maria.
    Fique em Paz.
    Angela

    ResponderExcluir
  3. Concordo com Angela qdo coloca que os pais estão se tornando reféns dos filhos e isso só prejudica a nova geração. Uma criança não pode decidir pela própria vida, isso é uma inversão. Seria bom que, como Raidalva, os pais se lembrassem da vida que tiveram, mto mais sadia do que hoje, dominados que estamos por empresas que usam a publicidade para o bem econômico delas mesmas, desprezando o bem comum.
    Abraços,

    ResponderExcluir
  4. Acho que vc não tá exagerando não, devem existir alguns dados por aí encomendados pelo Ministério da Saúde que apontam que a nossa população está cada vez mais doente. O que eu acho um exagero é a pregação de alguns naturebas xiitas...o discurso subliminar é de que as pessoas que não comem carne, por exemplo, são mais evoluídas espiritualmente. Acho isso uma grande balela. Conheço carnívoros que são grandes seres humanos.
    Luciana.

    ResponderExcluir
  5. Texto muito. Realmente é preocupante como as nossa crianças estão se alimentando. Gosto bastante dessa temática, pensando em obter uma qualidade de vida permeada por uma alimentação balanceada. Por isso, solicito que descorra a cerca da hipertensão associada a alimentação, ou seja, como fazer uma alimentação balanceada para controlar a hipertenssão, também atrelada a ansiedade? Obrigada, Nayara

    ResponderExcluir
  6. Desculpe, digo texto muito bom.
    Obrigada,
    Nayara

    ResponderExcluir
  7. Como sempre seu artigo só nos acrescenta e como você vejo a tristeza destas crianças que já não tem a qualidade de vida de outrora. Vejo com pesar que isso não acontece somente nos grandes centros, pois mesmo em cidades pequeninas como as que temos aí na Chapada já vemos todas estas mudanças... Sinto falta da "zoada" das crianças nas calçadas brincando de picula, bancondê, das cantigas de roda e tantas outras brincadeiras... Hoje quando estou em Palmeiras e saio a porta é impressionante o silêncio de suas ruas e posso verificar com pesar sua população ou presa na televisão ou no computador e todos tão perto e tão sozinhos...

    ResponderExcluir
  8. Jose Anselmo de Siqueira19 de janeiro de 2011 12:51

    Li um livro chamado Sugar Blues que alertava para o risco dos alimentos industrializados, focando especialmente no consumo de açúcar. Desde então tenho tomado muito cuidado com o que ingiro. Ler um texto como o seu é útil para nos manter conscientes dos perigos que acompanham o trash food e o sedentarismo. Isoladamente já são prejudiciais. Combinados, são uma tragédia.

    ResponderExcluir
  9. Amigo Aureo,
    Concordo com tudo o que colocou. Lembrei dos meus tempos de infancia.Educaçao fisica era uma materia.Eramos incentivados a prática do esporte na escola.Todas as brincadreiras usavam o corpo,em vez do mouse na tela do computador.Nataçao, basquete e volei eram os mais procurados.A vida parecia ser mais suave, os "problemas" muito menores que os de hoje.A consciencia sobre a importancia da saude precisa ser elevada, dos produtores de alimentos e dos consumidores.Num outro nível,a maneira como percebemos a vida,penso eu, tambem influencia a qualidade da saude assim como a hereditariedade.Acredito que podemos ser o que pensamos,acreditamos(as crenças),comemos e herdamos.Muito grato por ter lembrado do artigo e dos livros.Forte abraço e obrigado por mais um texto delicioso de ler.Roberto Cunha

    ResponderExcluir
  10. Oi Aureo,
    Não há exagero nenhum. Concordo com as questões colocadas por você e agradeço muito pelo alerta.
    Acho que os pais e avós (estou me incluindo) precisam ficar mais atentos e assumir maior responsabilidade em relação a este assunto. Em 2010 fiquei arrasada qdo. soube que o meu neto de apenas 5 anos tinha adquirido diabetes e iniciado um tratamento com a administração de insulina. Consegui aceitar melhor este fato porq.
    meu filho tamb. diabético sabe administrar muito bem este "desequilíbrio/problema?!"
    Um grande abraço e obrigada pelo texto.
    Angela

    ResponderExcluir
  11. Aureo,

    Sobre o tema da modernidade em que nós cada vez usamos menos o corpo, tem um filme muito bom sobre isso: "WALL-E" é um desenho (acho que da Disney)em que a terra vira um depósito de lixo onde vive um robô. Os humanos vivem numa imensa nave, todos gordos, onde as máquinas fazem tudo por eles: caminhar, comer...é muito bem feito. Acho que é um processo inevitável na medida em que evoluímos nossa mente e buscamos maior conforto e bem estar. Os antigos usaram força animal para aumentar a produtividade e assim se esforçaram menos que seus antepassados. Depois veio o trator. No futuro provavelmente, nem vão dirigir o trator. De casa darão ENTER e a máquina fará tudo sozinha. Mas acho que o homem aprenderá a equilibrar o binômio "mente sã, corpo são". Um exemplo são as academias e a prática de esportes. Mas realmente devemos ficar atentos a nossa tendência ao sedentarismo, principalmente nas crianças.
    Giciara

    ResponderExcluir
  12. Fico entusiasmado qdo leio os comentários de vcs no blog. Acho que todos deveriam ler os comentários pq neles temos lições importantes, assim como testemunhos valiosos. Como Giciara tenho esperanças de que a tragédia mencionada por JOsé Anselmo possa ser minimizada com atitudes mais coerentes com as necessidades orgânicas, e a consciência sugerida por Kátia e Roberto Cunha. Claro que sem os exageros mencionados por Luciana. A idéia de que somos superiores pq comemos assim ou assado seria ridícula se não fosse tão perigosa. Talvez a longo prazo até a tristeza de Angela possa vir a desaparecer entre os seus descendentes. Nayara, fique ligada pq logo teremos a sua sugestão atendida.
    Um abraço a vcs.

    ResponderExcluir
  13. Aureo,
    Atualmente levar merenda para escola é "pagar mico", frutas, sucos etc.., infelizmente teremos no futuro adultos obesos, diabéticos e outras doenças, cabe aos pais mudar estes hábitos, nas escolas públicas, os pais exigir do município, merendas mais saudáveis para seus filhos,com acompanhamento do profissional de nutrição.
    Parabéns!!
    Pela sua preocupação!
    Abraços!
    Socorro

    ResponderExcluir
  14. É isso aí, liberdade para viver de verdade. Vamos criar a campanha: "NÃO ÀS CRIANÇAS DE PLÁSTICO".

    ResponderExcluir
  15. Olá Dr. Áureo.
    Esse assunto deve ser mesmo muito discutido, para que possamos achar um meio de diminuir o impacto de tanta química.
    Tenho um filho de um ano e um mês, como mãe e nutricionista, estimulo muito o paladar do meu filho, para que ele conheça, e assim aprenda a gostar do sabor da manga, da laranja, da cenoura, da batata, do aimpim, com a mínima interferência do sal e do açúcar. Infelizmente a incidência do TDAH (transtorno do déficit de atenção e hiperatividade) vem acometendo cada vez mais crianças, isso se deve muito aos excessos de aditivos químicos na alimentação dos pequenos.
    Um grande abraço.
    Mariana

    ResponderExcluir
  16. POis é Mariana, o transtorno do déficit de atenção vem sendo mencionado há mto tempo como relacionado ao uso de açúcar e outro químicos. Outrossim se tem observado melhora em crianças da cidade que são levadas a atividades no campo. Ademais, o bombardeamento químico a que somos submetidos tem outros efeitos como o aumento da permeabilidade intestinal, incremento das alergias etc. Como vc disse, o assunto precisa ser discutido.
    Um abração

    ResponderExcluir
  17. Caro amigo, que boa reflexão, muito oportuna. Estou acompanhando também essa mudança na Alimentação e Estilo de Vida dos jovens e crianças. Muito preocupante a longo e curto praso, pois como você diz, já aumentou o número de crianças e adolescentes obesos e sofrendo de todas as consequências desta Alimentação "pervertida".
    Agradecemos o seu artigo muito bem escrito e sugestivo para a Educação Alimentar de jovens e adultos. Continuamos com o nosso trabalho, Graças a Deus.
    Namastê!
    Glauvania

    ResponderExcluir
  18. Olá Áureo!!! Feliz 2011!!!
    Até as pedras rolam mundo afora. Imagine as voltas que a vida dá até podermos nos encontrar virtualmente.
    Fomos caminhantes em breve jornada entre 1978/79. Frequentávamos o Lótus (Júlio/Ângela) enquanto vc fazia seu estágio no Hospital Manoel Vitorino. Lá também fui aprendiz por seu intermédio, a fim de me preparar para o parto de Isis e nascimento do Yuri. Pois bem, ontem 20 de janeiro, festejamos os 32 anos de sua chegada para um curto período entre nós... "é a vida!!! É bonita e é bonita!!!"
    De lá prá cá, o hiato que parecia não ter fim acabou com a descoberta do 'blog'.
    Muitas felicidades, muita paz, muito tudo!!!
    Um forte abraço, Jorge Marcos

    ResponderExcluir
  19. Olá Áureo,
    Parabéns pelo artigo!
    Concordo plenamente com você em relação a essa mudança drástica de hábitos e suas consequencias. É lamentável observar o quanto nos tornamos vítimas de nós mesmos. Já presenciei incontáveis vezes crianças de nossa região que deixam a merenda oferecida pela escola ou de trazer de casa algo mais saudável para comprar salgadinho, bolacha recheada, frituras e refrigerante. O pior é ver que os pais, quando têm qualquer trocado, favorecem esse "cardápio"! E isso ainda é considerado por muitas familias de baixa renda como forma de ascensão social.
    Flávia

    ResponderExcluir
  20. Olá!!

    Vivo em uma luta continua para que Daniel (7anos) e Rafael (3 anos) se alimentem bem... mas penso que o melhor que podemos fazer pelas crianças é dar bons exemplos... os filhos seguem os pais somente quando há discurso + ação...

    Aqui em casa também procuro não ser xiita... tem coca cola, chocolate, pizza, bolo, etc... mas somente nos finais de semana e com moderação...

    conheço uma pessoa cujos pais acreditavam que a alimentação era tudo... estes bem intencionados pais foram tão exagerados que esta pessoa (hoje um adulto de 35 anos)come TODOS os alimentos que lhe faltaram na infância - a geladeira é cheia de refrigerante, toddynho, danoninho, salgadinhos...

    Patrícia Beltrão

    ResponderExcluir
  21. Nossa mãe, Patrícia,
    Realmente o xiismo não convém. Em minha casa não entrava (e ainda não entra) Coca-Cola, todinho etc. Mas consegui proceder de modo a que os filhos não se sentissem oprimidos. Meus filhos não são naturistas, mas observam cuidados alimentares que me alegram. É importante uma postura atenta, porém relaxada.
    Abração

    ResponderExcluir
  22. JOrge Marcos!!!!! O tempo passou e o 14 bis nas alturas continua voando, ao contrário do outro, peça de museu. Minha cabeça 'tá dando voltas para tentar ver seu rosto. Não consigo. Mto tempo!
    Abraços

    ResponderExcluir
  23. Amigo Aureo, na minha humilde opiniao voce esta 200% correto. Alem da quimica na comida existe todo um aparato de propaganda para lhe convencer que essa eh a comida ideal para voce. Outro dia eu estava observando em como esses fast-food sao sempre pintados de umas cores fortes e chamativas, com desenhos ainda mais coloridos e elegantes. Isso tudo para captar a atencao das criancas e ate de alguns adultos desavisados.

    Tem um folheto num fast-food desses daqui que traz a estoria de um sujeito que passou varios meses so comendo naquela lanchonete e emagreceu varios quilos. Quer dizer, nao se fala sobre o que pode ter mudado no estilo de vida do sujeito, como por exemplo se ele comecou a praticar alguma atividade fisica. Nao. O que interessa eh que ele comeu la e perdeu peso. Nada mais. So sendo muito besta para cair nessa arapuca.

    Aureo, Deus me deu a graca de conseguir perder 14 quilos em 3 meses gracas a uma mudanca radical nos meus habitos alimentares e caminhadas diarias. Ainda falta muito para chegar ao meu peso ideal mas com a ajuda de Deus eu penso que consigo chegar la.

    Faz muito tempo que eu nao me sentia tao bem. Estou convencido que muitos dos nossos problemas de saude sao decorrencia de uma ma alimentacao e da falta de atividade fisica, o que infelizmente parece que esta se tornando a regra nesse mundo de hoje.

    Acho que o esclarecimento epode ser a saida para esse mal. Se as pessoas forem conscientes dos problemas causados pela alimentacao e estilo de vida inadequados elas podem decidir mudar e levar uma vida mais saudavel. E quem sabe ajudar a conscientizar mais pessoas.

    Um forte abraco,

    Riba

    ResponderExcluir
  24. Amigo Ribamar,
    seu depoimento é mto importante. Tenho comentado com aqueles que me escrevem e-mails acerca do que leram no blog da necessidade de comentar no blog, pois sei que as pessoas lêem os comentários. Dessa maneira opiniões e comentários como os seus podem reforçar, ampliar e esclarecer meus próprios textos. Grato.
    Aureo Augusto

    ResponderExcluir