sexta-feira, 11 de maio de 2018


BIBLIOGRAFIA DAS AULAS 1 e 2 DA SEGUNDA FASE DO CURSO MEDICINA DA VIDA


1.    7ª Diretriz Brasileira de Hipertensão Arterial, Sociedade Brasileira de Cardiologia, Volume 107, no 3, supl. 3, setembro, 2016. www.arquivosonline.com.br
2.    BALBACH, Alfons, As Plantas Curam, São Paulo: Ed. A Verdade Presente.
3.     BARATA, Rita Barradas. Como e Por que as Desigualdades Sociais Fazem Mal à Saúde. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2009.
4.     Barnard, Julian. Um Guia Para os Remédios Florais do Dr. Bach. São Paulo: Ed. Pensamento, 1979.
5.    COLLEN, Alanna, 10% Humano, Como os Microorganismos São a Chave para a Saúde do Corpo e da Mente. Rio de Janeiro: Ed. Sextante, 2016.
6.    Dahlke, Rüdiger e Dethlefsen, Thorwald, La Enfermedad Como Camino, Ed. Plaza y Janes, Barcelona, España.
7.    EPICURO, Carta a Meneceu (da Felicidade), Ed. Universidade de Brasília.
8.     EPCTETO, A Arte de Viver.
9.    FONSECA, Carlos Alberto da, Plantas Medicinais da Bahia, vol I. Salvador-BA: Ed. Particular, 2006.
10.Inventário de Plantas Medicinais do Estado da Bahia (responsável técnico: Carlos Alberto da Fonseca), SEPLANTEC, Governo do Estado da Bahia, 1979.
11.Lezaeta, Manuel, La Medicina Natural al Alcance de Todos, Kier, Buenos Aires-Argentina (no Brasil pela Hemus), 2003.
12.Ornish, Dean, Amor & Sobrevivência, Rocco, Rio de Janeiro-RJ, 1998.
13.Pollan, Michael, O Dilema do Onívoro, Uma História Natural de Quatro Refeições, Intrínseca, Rio de Janeiro-RJ, 2007.
14.SCOLNIK, Jaime, Cura Pela Medicina Naturista. São Paulo: Ed. Círculo do Livro/Cultrix, 1986.
15.Stern, Claudia, Remedios Florales de Bach, Lugar, Buenos Aires-Arg, 1992.

quinta-feira, 8 de março de 2018

DIA DA MULHER


Não foram muitas as mulheres em minha vida, mas têm sido de tal qualidade que posso dizer que muito do que sou de melhor a elas devo, sem desmerecer alguns homens (como pai e irmãos). Digo alto para que todos ouçam: Foram as mulheres, mais do que qualquer outro gênero, coisa, objeto, instituição etc. que mais fizeram de mim o que de melhor se fez em mim.

Não deveria existir dia do Índio, ou dia do mulher, ou dia da consciência negra e coisas assim, pois aquilo que merece um dia, merece-o porque deveria ser celebrado (e, obviamente, respeitado) todos os dias. Mas nós temos incompetência celebrativa, daí preferimos sofrer a dor de não reconhecer todo o tempo a beleza que todos nós somos em nossa maravilhosa diversidade.

Já que preferimos isso, celebremos o que podemos e enquanto não nos transformamos um pouco mais, para nos tornar cada vez mais o que em realidade já somos. E para que um dia sejamos mais nós mesmos, sejamos em nós a mulher que em nós é.

Hoje e sempre!

Que a mulher possa manifestar-se cada dia mais enquanto nada mais nada menos do que o que ela é (e merece). Grato!
Aureo Augusto

quinta-feira, 18 de janeiro de 2018

MEU ANIVERSÁRIO, FIM DO DIA ESCREVI E PARTILHO:

                BRISA LEVE DO TEMPO
Talvez uma brisa leve
Isso são os anos passando...
Dessa perspectiva
As tempestades absorveram-se a si
Desde o passar do tempo
O tempo desfaz como faz.

Reconheço-me: bobo como uma noz
Infinito como a redondez de um côco
Desse lugar alto que o tempo me pôs
Descubro-me além do tempo
E não sei bem o quão anacrônico
Pode configurar-se o configurado
Como esperado, feito, conforme.

Toca-me saber que não tenho tempo
                               Não há tempo
                               Não falta tempo
                               Sou o tempo e,
Sou parte do que falta no tempo
E de alguma forma não tenho idade
Nesse espaço em que uma antiga serpe
Dobrou-se sobre si, mordeu a cauda
Engole-se a si desde o princípio.

Sou o coração dos jovens, seus desejos e sonhos
Isso sou, com aquela alegria das cirandas
E o cerne dos idosos fortalece-me, pois que
Sou a alma dos idosos em seus desejos e achaques
As estrelas brilham sobre a minha cabeça
A noite me remete aos prazeres da noite
E quanto nasce o dia os pássaros
Me contam suas lendas...
Sou e nada, danço com a dor e a morte
Todos os dias e algumas noites;
Assim também sou a alegria das crianças
Alegria que faz de mim o que sou
Mais que as dores, mais que a morte
Ou a História, mais que tudo aquilo que aprendi
Mesmo aquilo que aprendi com o olhar de meu pai
E a placidez de sua mão forte ou a palavra de minha mãe
E a prolixidade de sua rica cozinha
Enquanto instrumento de carinho.

Enfim... constato:
O tempo passou, vivi
Mas a rigor nada de tanto assim
Ou mais eu aprendi.
Vivi, e?
Viver é a única resposta
Para a pergunta que não merece ser formulada.

Aqui estou
Que venha a mim o Universo!

                               Aureo Augusto, Vale do Capão, 17/1/18.

quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

CAMINHANDO NO VALE

Tenho caminhado pouco. É tanta coisa pra fazer que acabo não fazendo o exercício que mais gosto, depois de rachar lenha.

Constatei e decidi ir ao posto a pé. Quatro quilômetros já é alguma coisa. E esse algo é doce ao gosto de cheirar o mato, ouvir a música da minha gente: “Ei Dôtô, quer carona? Não, tô a fim de caminhar”. “Ei cadê o sapato? Cansa menos descalço e além disso é economia da boa (risos dos dois lados)”. Uma canção na alma, mesmo que não na rima.

No meio do caminho encontro o prazer da pele e do riso, abraço Patrícia, e ouço dela que nunca mais me viu e de mim pra ela o mesmo e de volta que é bom, pois nunca mais adoeceu e Jaci sai correndo pra me gritar alegre bom dia e botar pra dentro o cachorro traquina.

Chego ao posto e o povo já na espera (inda faltando bem tempo pra abrir, que é às oito), o povo ri de mim, como sempre ri e é saboroso escutar os olhos da gente celebrando minha criancice.


Em 6/12/17. Recebam um abraço caminheiro.

sexta-feira, 24 de novembro de 2017

LIVRES PARA A PRISÃO


Somos livres
Este é o apanágio da humanidade
Somos livres e isso é desgastante
É uma pesada carga a suportar:
O que isso nos trás de responsabilidade.

Vai daí, criamos deuses, criamos Deus
Criamos regras, legislamos, normatizamos
Elaboramos milhares de linhas, siglas, campos
Marcamos lugares, fatos, limites, esses meus
Aqueles seus, foi assim que alimentamos
As prisões, penduramos nossas almas em grampos!


Em 24/11/17

domingo, 22 de outubro de 2017

ABANDONO

                      ABANDONO
A água abandona a nascente
E faz o córrego, o rio, vive o oceano
Deve ser algo parecido com filhos e pais
Que não se fazem lago ou oceano, mar
Se a pais não dizem adeus inda que seja no pensar;
E assim abandonei a casa onde nasci
Que me viu crescer, o bairro, ninho de amigos
Lugar em que vivi a vida feita de ruas
Para pés descalços, molequeiras, arraias, pião
Fura-pé, guerrô, guiador, briga de turmas
E o tempo deu seu jeito de passar...

Recebi carta de minha mãe
Querendo notícias do filho que
Do jeitinho de água da nascente
Se foi, se foi longe, como água de nascente
Oceanizou-se como água de nascente
Recebi a carta naquela letra boa
Da gente de antigamente que escrevia com letra boa
Caneta tinteiro, mata-borrão, cuidada
Escrita no verso do papel que eu mesmo
Lhe havia regalado para que escrevesse
(Não pensei que seria para mim), dada a esmo
Papel com uma aguada em nanquim, cinza
Suave como minha mãe, sua letra frote,
Seu desejo de notícias, lenço ao ar, leve...
E a carta veio de novo anos depois ela morta
Coincidência no dia das mães, a mesma!

O arco lança a flecha e a ferida que causa
Não mais lhe pertence, ao arco, não mais
Meus pais em seu tempo abandonaram a vida
Deixaram-me como um dia os deixei e vivi.

Agora é a vez de meus filhos perto e distantes
Porque mesmo a meu lado eles são eles
E são deles os momentos novos como meus
Seguem os meus momentos e livre sinto eles
Livre como eu em suas prisões ou liberdades.
                      Em 21/10/17, recebam um abraço poético de Aureo Augusto


terça-feira, 10 de outubro de 2017

BIBLIOGRAFIA DA AULA 10 CURSO MEDICINA DA VIDA

Isabele Pio e Cynthia Barbosa, Corantes, in Boletim BROMATOLOGIA EM SAÚDE, Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Ficha de informações de segurança de produtos, de uma empresa de corantes.

Índice Terapêutico Fitoterápico (IPF), Ângela Lima (editora científica), EPUB, Petrópoles-RJ.

Inventário de Plantas Medicinais do Estado da Bahia (responsável técnico: Carlos Alberto da Fonseca), SEPLANTEC, Governo do Estado da Bahia, 1979.

BALBACH, Alfons, As Plantas Curam, São Paulo: Ed. A Verdade Presente.

BELMÉ, François, Plantas Medicinais. São Paulo: Ed. Hemus, 1978.

FONSECA, Carlos Alberto da, Plantas Medicinais da Bahia, volI. Salvador-BA: Ed. Particular, 2006.


Thompson, A. R., Guia Prática Ilustrada de Las Plantas Medicinales, Ed. Blume, Barcelona - Espanha, 1980.

segunda-feira, 9 de outubro de 2017

BIBLIOGRAFIA DA AULA 9

NÃO ESQUEÇA QUE ESTÁ DISPONÍVEL PARA VOCÊ O MANUAL DE PROCEDIMENTOS NATURISTAS NO LINK: bit.ly/manualdeprocedimentosnaturistas.
ALFONSO, Eduardo, Curso de Medicina Natural en Cuarenta Lecciones, Ed. Kier, Buenos Aires, Argentina, 1982. AUGUSTO, Aureo, Liberte-se da Prisão de Ventre, Causas e Tratamento Clínico-dietético e Psicossomático. São Paulo-SP: Ed. Cultrix, 1995. AUGUSTO, Aureo, Introdução ao Pensamento Integrativo em Medicina, capítulo 4 de Barreto, Alexandre F. (organizador), Práticas Integrativas em Saúde: Proposições Teóricas e Experiências na Saúde e Educação, UFPE, Recife-PE, 2014. BURKITT, Denis, Incovenientes de la Alimentación Carente de Fibras, in Vida Feliz, Santiago de Chile. DAVENPORT, Horace W., Fisiologia do Trato Digestivo. Rio de Janeiro-RJ: Guanabara Koogan. JANSEN, Bernard, The Science and Practice of Iridology, Escondido, Califórnia-USA. JANSEN, Bernard e BODEEN, Donald, Visions of Health, Avery Publishing Group, New York-USA. KNEIPP, Sebastião, Minha Cura d’Água, 3ª edição brasileira sobre a 50ª edição alemã, João Mayer Jun.&Comp., Porto Alegre-RS. LEZAETA, Rafael, La Salud por la Naturaleza, Ediciones Lezaeta, Santiago de Chile, 1968. Recentemente um estagiário de medicina no posto onde trabalho me mostrou que existe em português. LEZAETA, Manuel, La Medicina Natural al Alcance de Todos, Kier, Buenos Aires-Argentina. (no Brasil pela Hemus, 2003). LIMA, Elias Oliveira, 7 Dias para Começar a Viver. São Paulo-SP: Editora Maltese, 1995. PEARLMAN, Barry J. e SCHOENFIELD, Leslie Y., Clínicas Médicas da América do Norte, Gastroenterologia Para Internistas, 1978. RUIZ-IBARRA, Conceptos Fundamentales sobre Hidroterapia. Madrid-España: Ed. Inst. Hipócrates, 1986. THOMÉ, Antônio, Tratamentos Naturais. Itaquaquecetuba-SP: Edições Vida Plena, 2005. THORWALD, Jürgen, O Segredo dos Médicos Antigos, Melhoramentos, São Paulo-SP. WAERLAND, Are, O Sistema Waerland numa Casca de Noz, Rio de Janeiro-Rj: Editora Germinal. WAERLAND, Ebba, Terapeutica Waerland. Rio de Janeiro-Rj: Editora Germinal, 1968.

Recebam o meu abração Aureo Augusto

sábado, 16 de setembro de 2017

BIBLIOGRAFIA DA AULA 8

A hidroterapia e a geoterapia, assim como a fitoterapia e outras formas de contribuir para a manutenção e recuperação da saúde têm me ajudado em muito, tanto no cuidar de mim, do meu próprio bem estar, como ajudado a numerosas pessoas que me procuram. Sei que muitos devem pensar como algo tão comum como é a água e a terra, têm tal poder de cura. Por isso peço a vocês que além da leitura, experimentem. Reconheço que é mais fácil tomar um comprimido do que fazer, por exemplo, uma faixa úmida abdominal gelada, ou um banho de assento frio. No entanto, de executado de forma correta, os procedimentos hidro e geoterapêuticos são isentos de efeitos colaterais e efetivos em sua ação. Não acredite em mim assim do nada. Experimente, constate.

Eis a bibliografia da aula 8:

 Aureo Augusto, MANUAL DE PROCEDIMENTOS, será oferecido bastando você seguir este link: bit.ly/manualdeprocedimentosnaturistas. ALFONSO, Eduardo, Curso de Medicina Natural en Cuarenta Lecciones, Ed. Kier, Buenos Aires, Argentina, 1982. FREIRE, Gilberto, Casa Grande e Senzala, é fácil achar em pdf na internet. KNEIPP, Sebastião, Minha Cura d’Água, 3ª edição brasileira sobre a 50ª edição alemã, João Mayer Jun.&Comp., Porto Alegre-RS. LEZAETA, Rafael, La Salud por la Naturaleza, Ediciones Lezaeta, Santiago de Chile, 1968. LEZAETA, Manuel, La Medicina Natural al Alcance de Todos, Kier, Buenos Aires-Argentina. no Brasil pela Hemus, 2003. LIMA, Elias Oliveira, 7 Dias para Começar a Viver. São Paulo-SP: Editora Maltese, 1995. PELLEGRINI, Aldo, Los Mecanismos de la Curación, Ed. Vigia, Buenos Aires, Argentina, 1941. PISO, Guilherme (Willem Pies), História Natural e Médica das Índias Ocidentais, traduzida para o português em 1957, por Mário Lobo Leal, Ed. Inst. Nacional do Livro, MEC. SCOLNIK, Jaime, Cura Pela Medicina Naturista. São Paulo: Ed. Círculo do Livro/Cultrix, 1986. THOMPSON, C. J., La Curación Por la Magia, 1955, Ed. AHR, Barcelona, España. THORWALD, Jürgen, O Segredo dos Médicos Antigos, Melhoramentos, São Paulo-SP.

sábado, 26 de agosto de 2017

BIBLIOGRAFIA das AULAS 6 e 7 do CURSO MEDICINA DA VIDA

Aula 6 ALFONZO GONZÁLEZ, Gisell. Efecto del Tratamiento Térmico Sobre el Contenido de Fibra dietética Total, Soluble e Insoluble en Algunas Leguminosas. Arch. Latinoam. Nutr: 50(3):281-286, sept. 2000, tab. ÁLVAREZ, E. Escudero y SÁNCHEZ, P. González. La fibra dietética (Dietary fibre. Unidad de Dietética y Nutrición. Hospital La Fuenfría. Nutr. Hosp. vol.21 supl.2 Madrid may. 2006. BURKIT, Denis; Incovenientes de la Alimentación Carente de Fibras, in Revista Vida Feliz. Santiago de Chile: março/1978. COUCEIRO, Patricia; SLYWITCH, Eric; LENZEINSTEIN, Franciele. Padrão alimentar da dieta vegetariana (Eating pattern of vegetarian diet). Einstein.2008; 6(3):365-73. CROWE, Francesca; APPLEBY, Paul; ALLEN, Naomi; KEY, Timothy. Diet and risk of diverticular disease in Oxford cohort of European Prospective Investigation into Cancer and Nutrition (EPIC): prospective study of British vegetarians and non-vegetarians. BMJ 2011; 343 doi: https://doi.org/10.1136/bmj.d4131 (Published 19 July 2011). FORD, Alexander; TALLEY, Nicholas; SPIEGEL, Brennan; FOXX-ORENSTEIN, Amy; SCHILLER, Lawrence; QUIGLEY, Eamonn; MOAYYEDI, Paul. Effect of fibre, antispasmodics, and peppermint oil in the treatment of irritable bowel syndrome: systematic review and meta-analysis. BMJ 2008; 337 doi: https://doi.org/10.1136/bmj.a2313 (Published 14 November 2008). MACHADO, Wellington Monteiro; CAPELARI, Sílvia Maria. Avaliação da eficácia e do grau de adesão ao uso prolongado de fibra dietética no tratamento da constipação intestinal funcional. Revista de Nutrição. Pontifícia Universidade Católica de Campinas, v. 23, n. 2, p. 231-238, 2010. Disponível em: . OSSA, Gonzalo e OSSA, Patrício; Los Hábitos Dietéticos y su Repercussión sobre la Salud del Ser Humano. Boletin del Hospital San Juan de Dios, Santiago de Chile: nov/dez, 1978. PEARLMAN, Barry J. e SCHANFIELD, Leslie J.; Clínicas Médicas da América do Norte – Gastrenterologia para Internistas, vol. I, 1978. THREAPLETON, Diane; GREENWOOD, Darren; EVANS, Charlotte; CLEGHORN, Christine; NYKJAER, Camilla; WOODHEAD, Charlotte; CADE, Janet; GALE, Christopher; BURLEY, Victoria. Dietary fibre intake and risk of cardiovascular disease: systematic review and meta-analysis. BMJ 2013; 347 doi: https://doi.org/10.1136/bmj.f6879 (Published 19 December 2013). WHORTON, James. Civilisation and the colon: constipation as the “disease of diseases”. BMJ. 2000 Dec 23; 321(7276): 1586–1589. AUNE, Dagfinn; CHAN, Doris; LAU, Rosa; VIEIRA, Rui; GREENWOOD, Darren; KAMPMAN, Ellen; NORAT, Teresa. Dietary fibre, whole grains, and risk of colorectal cancer: systematic review and dose-response meta-analysis of prospective studies. BMJ 2011; 343 doi: https://doi.org/10.1136/bmj.d6617 (Published 10 November 2011). Aula 7 BIBLIOGRAFIA ALFIN-SLATER, Roslyn e JELLIFE, Derrick, Exigências Nutritivas com Especial Referência à Primeira Infância, in Clínicas Pediátricas da América do Norte. Rio de Janeiro: Ed. Guanabara Koogan, 1980. CARMO, Maria Carmen Neves Souza, CORREIA, Maria Isabel Toulson Davisson. A Importância dos Ácidos Graxos Ômega-3 no Câncer. Revista Brasileira de Cancerologia 2009; 55(3): 279-287. HALPERN, Salmon; SELLERS, William; JOHNSON, Richard; ANDERSON, David; SAPERSTEIN, Sidney; REISCH, Joan. Development of Childhood Allergy in Infants Fed Breast, Soy, or Cow Milk, Journal of Allergy and Clinical Immunology, Volume 51, Issue 3, March 1973, Pages 139-151. HAMBRAEUS, Leif, Leites Industrializados versus Leite Humano, in Clínicas Pediátricas da América do Norte. Rio de Janeiro: Ed. Guanabara Koogan, 1980. HIRSCH, Sonia, A Dieta do Doutor Barcellos contra o Câncer (e todas as alergias). Rio de Janeiro: Hirsch & Mauad Publicações, 1997. HOOPER, Lee; THOMPSON, Rachel; HARRISON, Roger; SUMMERBELL, Carolyn; NESS, Andy; MOORE, Helen; WORTHINGTON, Helen; DURRINGTON, Paul; HIGGINS, Julian; CAPPS, Nigel; RIEMERSMA, Rudolph; EBRAHIM, Shah; SMITH, George; Risks and Benefits of Omega 3 Fats for Mortality, Cardiovascular Disease, and Cancer: Systematic Review, BMJ 2006; 332 doi: https://doi.org/10.1136/bmj.38755.366331.2F (Published 30 March 2006)Cite this as: BMJ 2006;332:752. JELLIFE, Patrice, Práticas de Alimentação do Lactente, Doenças Associadas, in in Clínicas Pediátricas da América do Norte. Rio de Janeiro: Ed. Guanabara Koogan, 1980. NOGIER, Raphaël, O Leite que Ameaça as Mulheres, São Paulo: Editora Ícone, 1999. ROBSON, John, Exotismos Alimentares, in in Clínicas Pediátricas da América do Norte. Rio de Janeiro: Ed. Guanabara Koogan, 1980. SHINYA, Hiromi, A Dieta do Futuro, 1ª edição, 4ª reimpressão, São Paulo: Editora Cultrix, 2016. SCHWARCZ, Joe, Uma Maçã por Dia. Rio de Janeiro: Zahar Editora, 2007. SERVAN-SCHREIBER, David, Anticâncer, Fontanar/Objetiva, Rio de Janeiro, 2007 WOISKI, Jacob, Dietética Pediátrica, São Paulo: Ed. Atheneu, 1981.